/Conheça as Mulheres-Maravilha da FCE UNIFIEO

Conheça as Mulheres-Maravilha da FCE UNIFIEO

Há espalhadas por todos os cantos várias Mulheres-Maravilha – personagem central do universo feminino da DC Comics. Elas não têm laços mágicos, músculos à mostra, nem são amazonas contratadas para lutar ao lado exército dos Estados Unidos contra os nazis.

Essas mulheres são de carne e osso, sem os conhecidos clichês do mundo do entretenimento. Não são Dianas Prince e têm dupla, tripla jornada diária de trabalho. Joicys, Cleides, Lilianes, Jeans, Adrianas, Alines e Nices. Essas são só algumas guerreiras que trabalham pelo fortalecimento da Educação brasileira e que exercem o ofício de gerir polos da Faculdade Campos Elíseos UNIFIEO.

Cleide Azevedo tem uma história de “self-made woman” e cresceu junto com a instituição. Quem a vê hoje não imagina que ela teve que vender salgados para sobreviver, pois seu salário como professora não era o suficiente. Hoje em dia, ela administra 4 polos da FCE: Mogi das Cruzes, Recife, Garanhuns e Ilhéus.

Acumulando duas graduações, Pedagogia e Ciências Sociais, ela aponta três fatores para o seu sucesso como empreendedora: o pós-venda, o apoio que recebeu da FCE e a sua equipe. “Tenho uma equipe de apoio maravilhosa. Se você não delegar, não vai longe – fica só ali”, diz.

Joicy Macedo é gestora Educacional do polo de Registro (interior de São Paulo) e começou a carreira bem cedo como professora eventual na Rede de ensino Estadual. Formada em Letras, ela fez pós-graduação em Psicopedagogia Institucional e Clínica. “Tive a honra de estagiar no consultório de atendimento psicopedagógico de uma amiga e descobri o amor pela Psicopedagogia”, diz ela que assumiu o polo no final do ano passado.

O convite para administrar o polo veio inesperadamente numa ligação telefônica do antigo gestor, Rick: “Na hora confesso que fiquei desesperada… Pensei ‘dancei` perdi meu trabalho…”, lembra. Felizmente era outro assunto. “Pra mim foi um presente, porque é o que eu amo fazer”, completa.

Tal como Joicy, Liliane Guapindaia (Psicopedagoga, Psicomotricista e gestora do polo de Belém/Pará) está há pouco tempo na Faculdade, desde julho de 2017, mas já acumula boas experiências.

Ela aponta como uma das coisas mais positivas poder levar conhecimento e formação para a população de Belém e região do estado do Pará. Ela não vê as demandas de seu trabalho como dificultosas e sim como desafiantes: “É sempre gratificante trabalhar com gestão de uma instituição educacional com conceito e referência”, declara Liliane.

Já Jean Maya começou como aluna em 2012 da própria FCE (após dar aulas e ser coordenadora pedagógica na rede municipal de São Paulo) e se tornou em um dos maiores casos de sucesso da rede, acumulando 10 polos da FCE.

Ela diz não sentir dificuldades em ser mulher gestora e que o resultado que ela obteve ao longo dos anos não a faz diferente dos homens gestores. “Largar o conforto de ser funcionária pública e investir em uma trajetória empreendedora acredito ser minha maior conquista”, afirma.

Adryana Claro também é uma daquelas mulheres que ajudaram a tornar a FCE o que ela é hoje. Gerindo o polo de Guarulhos (um dos polos de maior sucesso da rede), ela conseguiu superar os desafios encontrados na região que na época estava “desacredita com o mercado de educação”, segundo ela.

“Estamos em Guarulhos há quase 4 anos e só temos a agradecer a todo sucesso e desempenho da FCE aqui na rede de professores. Com coragem e dedicação seguimos em frente com muito trabalho e dedicação e já ultrapassamos os mais de 3 mil certificados entregues”, conta.

Aline Ragazzi é uma mulher determinada e largou tudo em São Paulo para gerir o polo de Presidente Prudente da FCE. Aline é bacharel e licenciada em Biologia, Pedagogia e Química. Para a gestora, seu trabalho atual não difere muito do trabalho de docente. “O ato de dar aulas exige gestão. E dentro desse contexto, ambos coexistem. O professor precisa dar conta do que foi proposto, lidar com o inesperado e administrar as rotinas de aprendizagens”, explica.

Atualmente, ela administra 3 polos: Presidente Prudente, Assis e Campo Grande. Ragazzi conta que na época que chegou à FCE só haviam 5 gestores e nenhuma estrutura, quando comparada aos dias atuais. “Porém o principal encontramos: sede de vencer, ganhar muito dinheiro e fazer a diferença no mercado”, frisa.

Nice Silva, por sua vez, é uma mulher de fibra que largou seu trabalho na Prefeitura de Suzano, em 2015, para se juntar ao time da FCE como gestora do polo Itaquaquecetuba. No ano passado, ela abriu mais um polo, dessa vez em Campina Grande.

A gestora diz que não abaixa a cabeça acerca das dificuldades em ser mulher. “Muitas vezes somos desacreditadas, consideradas sexo frágil. Porém somos decididas e não desistimos fácil. E a prova está no nosso sucesso na FCE”, orgulhasse-se Nice. “A minha maior conquista é trabalhar com o que eu amo e ainda ser remunerada pra isso”, completa.

Usando dos superpoderes de gestão, amor à Educação, muito trabalho e disposição, Joicy, Cleide, Liliane, Jean, Adriana, Aline e Nice são a cara do espírito empreendedor das mulheres da FCE UNIFIEO.